.
"Palavras não são somente palavras, são sentimentos, emoções, mistérios... São páginas de vida, de uma história de vida, e muito mais... São como visões midiáticas, que não dizem nada, embora queiram dizer, ou possam sugerir, até mesmo, outras coisas, inesperadas, inexpressivas, dilacerantes,
inconclusivas, pedantes, despretensiosas, legítimas ou não..."
— Claudio Antunes Boucinha

Dia dos Namorados – Valentine’s Day — Dia de São Valentim

O Dia dos Namorados, conhecido em muitos países como ‘Dia de São Valentim” e nos Estados Unidos como “ Valentine's Day”, é um dia dedicado à troca mútua: seja um cartão, um chocolate, uma jóia, um perfume, uma rosa, um abraço, ou até mesmo um simples cumprimento que faz com que cada um de nós sinta que naquele momento é lembrado, seja como amigo, companheiro, amante... enfim, são momentos mágicos que nos fazem felizes e que farão parte de nossa história.

Enquanto na Europa e na América do Norte comemora-se o Dia de São Valentim ou Valentine's Day a 14 de Fevereiro, no Brasil celebra-se o Dia dos Namorados a 12 de Junho, véspera do dia dedicado a Santo Antonio.

A história do Dia de São Valentim ou Saint Valentinus, que deu nome ao Dia dos Namorados em muitos países, onde é celebrado o Dia de São Valentim, refere-se a Valentim, um santo católico martirizado na Roma antiga.

Durante o governo do imperador Claudius II, este proibiu a realização de casamentos em seu reino, com o objetivo de formar um grande e poderoso exército. Claudius acreditava que se os jovens não tivessem família, alistar-se-iam com maior facilidade. No entanto, Valentim, sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio II, revoltado com a imposição do imperador, continuou a celebrar casamentos em segredo.


A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens jogavam flores e bilhetes dizendo que os jovens ainda acreditavam no amor. Entre as pessoas que jogaram mensagens ao bispo estava uma jovem cega: Asterius, filha do carcereiro a qual conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim. Os dois apaixonaram-se e Asterius, milagrosamente, recuperou a visão. Valentim chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: “De seu Valentine”, expressão que até hoje ainda é utilizada. Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270 d.C.

A tradicional troca de cartões, cartas e bilhetes apaixonados no dia 14 de Fevereiro teve origem na altura da própria lenda de São Valentim, no entanto, não há qualquer fato que comprove esta lenda. Porém, é certo que, no século XV, Charles, o jovem duque de Orleães, teria sido o primeiro a utilizar cartões de São Valentim. Isto porque, enquanto esteve aprisionado na Tower of London, após a batalha de Agincourt em 1645, teria enviado, por volta do dia de São Valentim, vários poemas e bilhetes de amor à sua mulher que se encontrava em França.

Durante o século XVII sabe-se que era costume os enamorados escreverem poemas originais, ou não, em pequenos cartões que enviavam às pessoas por quem estavam apaixonados. Mas, foi a partir de 1840, na Inglaterra vitoriana, que as mensagens de São Valentim passaram a ser uniformizadas. Os cartões passaram a ser enfeitados com fitas de tecido e papel especial e continham escritos que ainda hoje nos são familiares, como é o caso de "Would You Be My Valentine".

As festividades em honra deste santo foram, pouco a pouco, substituindo as Lupercais, festa pagã da fertilidade que se realizava em meados de Fevereiro. Durante a Idade Média, Valentim foi um dos santos mais populares na Inglaterra e na França e, vários países adotaram este dia como feriado.

Em Portugal, a devoção a São Valentim é bastante limitada. Não conhecemos, por exemplo, nenhuma freguesia que tenha este santo como patrono. Já o mesmo não se pode dizer de outros países onde a popularidade do santo é evidente.

Com o tempo, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo na Inglaterra e na França e, mais tarde, nos Estados Unidos.

Acredita-se que a prática de recados manuscritos — iniciada no século XIX — deu lugar à troca de cartões de felicitação produzidos em massa e, estima-se que aproximadamente um bilhão de cartões com mensagens românticas, são enviados a cada ano, tornando esse dia um dos mais lucrativos do ano — perdendo apenas para o Natal e o Dia das Mães.

Nem todos os países comemoram o dia dos namorados como nós fazemos, assim alguns países têm suas próprias formas de celebrar o São Valentim.

Na China, o sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar chinês é o Qi iao Jie, "A noite dos sete", que é equivalente ao Dia do Amor.

Na Dinamarca, a tradição diz que devem ser enviadas flores prensadas umas às outras, chamadas "flocos de neve".

Em Itália, as pequenas comunidades fazem um grande banquete neste dia.

Na Inglaterra, era costume as crianças andarem a cantar de porta em porta vestidas de adultos. Ainda na ilha britânica, no País de Gales, os apaixonados trocavam presentes como colheres de pau com corações gravados, e chaves e fechaduras simbolizando que um tinha a chave para o coração do outro.

No Japão, o amor é comemorado em dois dias. O primeiro é 14 de fevereiro, quando as mulheres dão presentes e chocolates para amigos, namorados e parentes.
O segundo é 14 de março, quando os homens retribuem a elas os presentes recebidos.

No dia 7 de julho, há também outra festa - o Tanabata - que celebra o encontro de duas estrelas, que simbolizam o encontro dos apaixonados.

Há no entanto, entre a população nipónica, quem se negue a aderir a estes festejos, alegando que são meramente jogadas comerciais sem grande valor cultural.

Os Estados Unidos representam talvez, o expoente máximo da vertente comercial do dia de São Valentim. Nos meses que antecedem esta data, as lojas abastecem-se de cartões, gifts, flores e chocolates para que os enamorados possam mimarem-se uns aos outros, no dia 14 de Fevereiro.

Para os norte-americanos, a grande tradição é o envio de cartões às pessoas que amam, sejam namorados, amigos, vizinhos e colegas de trabalho.


Em meados do séc. XIX, Esther A. Howland, foi a pioneira desta produção massificada de cartões de São Valentim, seguindo a tradição vinda de Inglaterra para as colonias americanas, permitindo que hoje seja essa a forma preferida de manifestar o amor no Dia dos Namorados. Cerca de 25% de todos os cartões enviados durante o ano são “valentines”, nome dado aos cartões de São Valentim.

Em Portugal, a comemoração do Dia de São Valentim surgiu no século 19, onde apaixonad
os trocavam recados românticos, logo estes recados tornaram-se cartões, que até hoje são comercializados

No Brasil, a data é comemorada no dia 12 de junho, às vésperas do dia 13 de junho — Dia de Santo Antônio — Santo português com tradição de santo casamenteiro, provavelmente devido suas pregações a respeito da importância da união familiar que era combatida pela heresia da época chamada Catarismo.

A proximidade das datas é apenas coincidência, pois tudo começou em 1949, em São Paulo, quando o publicitário João Dório trouxe a idéia do exterior como uma possível alternativa para melhorar as vendas de junho — que na época era o mês mais fraco para o comércio. Com o apoio da Confederação do Comércio de São Paulo, Dória instituiu a data com o slogan "Não é só de beijos que se prova o amor". Para felicidade geral dos comerciantes a moda pegou e desde então, o dia 12 de junho, tornou-se O Dia dos Namorados no Brasil.

Sabemos que o dia dos namorados, no dia de hoje, é muito associado à troca mútua de recados de amor em forma de objetos simbólicos, tais como cartões, celulares, jóias, perfumes, ursinhos de pelúcia, ou até mesmo um jantar no melhor restaurante da cidade e etc, mas, também, sabemos que tudo isso é transitório e descartável e, como tal, é facilmente esquecido e suprimido...


Que tal se ao invés de rendermo-nos a um consumismo desenfreado para comemorar a data, sermos imaginativos e surpeendermos a pessoa a quem amamos com uma atitude que proporcione um momento inesquecível... feliz... pois é, atitudes que provoquem momentos felizes, nao se compram, se criam e é o que levamos conosco por toda a vida.

Poder-se–ia dizer ainda que, um único dia não tem o dom de recuperar todo o carinho e a atenção que faltaram em centenas de outros!!!

E cá entre nós, também sabemos que há muita gente que ainda reluta em adotar a data, e mesmo sabendo que cada um é cada um, temos que levar em conta que é uma data especial e comemorativa para afastar os dias mais monótonos e rotineiros, por isso, quer sejam casados, comprometidos ou solteiros, não deixem a data passar em branco, há sempre algo a ser comemorado, não só o amor, mas também a amizade, ou mesmo um hobby ao qual não se dedicam faz algum tempo.

Escolham o seu motivo e festejem! E por via das dúvidas, se não podem dar “uma roseira” leve “uma rosa” — ainda que roubada do jardim do vizinho — por que o que vale mesmo é a intenção e, não há como negar que a vida fica um pouquinho mais romântica, perfumada e doce com uma declaração de amor inesperada, uma rosa, e, é claro, um chocolate, nem que seja um Sonho de Valsa!

.


Dia dos Namorados – Valentine’s Day — Dia de São Valentim
Fonte: wikipedia.org e internete
http://saltitandocomaspalavras.blogspot.com/
 

Veja também:
• Oração dos Namorados
• Dia dos Namorados – Enlouqueça aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar!
Dia dos Namorados — Namorar é tão bom e faz bem!
.